retinopatia diabética curitiba tratamento

O que é a Retinopatia Diabética? Saiba mais sobre a doença, sintomas, cuidados e tratamento em Curitiba

A retinopatia diabética é uma patologia ocular causada pela diabete.

Além de ser muito recorrente, a perda da visão ocorre devido a alterações nos vasos sanguíneos localizados na região da retina. Por falta de circulação adequada do sangue, estes vasos podem ficar inchados, completamente vedados e, na pior das hipóteses, romperem, podendo resultar na perda da visão.

A retinopatia diabética pode acontecer em pacientes tanto com diabetes do tipo I e II.

Formas da Retinopatia Diabética

A patologia pode se manifestar de duas formas diferentes:

  • Não proliferativa
  • Proliferativa

Retinopatia diabética não proliferativa

Essa é a etapa inicial da doença. Costuma acontecer de forma assintomática. Há pacientes que apresentem edema macular, que é o inchaço dos vasos sanguíneos, deixando a visão do paciente turva. Lesões nos vasos sanguíneos também são comuns.

A dilatação dos vasos pode levar a um escoamento de fluídos na região da retina, desta forma, colesterol e outras substâncias sanguíneas podem entrar em contato com a retina.

Retinopatia Diabética Proliferativa

Esta é a fase mais grave da doença. Com o alto nível de glicose no sangue, os vasos afetados podem fechar completamente, o que impede a entrada de oxigênio e outros nutrientes na retina. Como forma de contornar o problema, o corpo produz novos vasos sanguíneos.

O grande problema é que esses novos vasos são frágeis e crescem desordenadamente. Eles podem se romper, o que causa hemorragias na retina e pode levar o paciente a cegueira.

Para evitar a doença, é fundamental que o paciente diabético receba acompanhamento de um oftalmologista. Se identificado a doença em seu estágio inicial, a perda severa da visão pode ser evitada.

Causas da Retinopatia Diabética

São muitos os fatores que podem levar o paciente a apresentar retinopatia diabética. Uma de suas causas é a doença Diabete Mellitus. Com a doença, o corpo não consegue processar adequadamente alimentos com altas cargas de glicose, desta forma, estes podem se assentar nos vasos sanguíneos, o que ocasiona a doença.

Grupo Normalmente afetado

Segundo dados da OMS, pacientes com diabetes possuem cerca de 25 vezes mais chances de perder a visão em relação a pessoas não diabéticas.

Estima-se que 75% dos pacientes que apresentam diabetes a 20 anos ou mais, desenvolvem algum nível de retinopatia diabética.

tratamento do ceratocone em curitiba

Tratamento do Ceratocone em Curitiba

O ceratocone é um problema da saúde ocular que pode aparecer na infância, adolescência ou juventude.

Essa condição atinge a córnea, tornando a visão embaçada e irregular.

Nesse artigo separamos algumas informações importantes para você sobre o ceratocone e suas opções de tratamento.

O que é ceratocone

O ceratocone é uma doença degenerativa que modifica a córnea, deixando-a com um aspecto de cone, causando uma distorção na forma como a luz chega aos olhos. Uma vez que se encontra em uma forma irregular, pode resultar em um comprometimento visual, causando erros refrativos como miopia, astigmatismo e hipermetropia.

Existem diferentes graus de ceratocone, que devem ser avaliados por um médico especialista para indicar qual deverá ser a melhor opção de tratamento, de acordo com cada caso.

Alguns dos sintomas mais comuns que são relatados pelos pacientes são a dor de cabeça, fotofobia (sensibilidade a luz), diminuição da qualidade de visão e a frequente alteração do grau dos óculos.

Qual o tratamento para o ceratocone em Curitiba?

O tipo de tratamento depende do grau da doença. Inicialmente, é comum a prescrição de óculos e lentes de contato específicas para ceratocone. Nos estágios mais avançados da doença, o crosslinking e anel de ferrara são opções com bons resultados para o ceratocone. Em últimos casos, o transplante de córnea costuma ser indicado.

No entanto, apenas o médico poderá indicar qual a melhor opção de acordo com a necessidade de cada paciente, a partir da avaliação do grau da doença.

A indicação depende, primeiramente, de uma consulta com o médico oftalmologista, que irá realizar alguns exames para avaliar o estado atual do ceratocone do paciente.

Especialista em Ceratocone em Curitiba

Para maiores informações sobre o tratamento do ceratocone em Curitiba, entre em contato com o Hospital Barigui de Oftalmologia.

Contamos com uma equipe de médicos oftalmologistas altamente qualificada para realização de diagnóstico e tratamento do ceratocone.

cirurgia de catarata em curitiba

Dúvidas frequentes sobre a cirurgia de Catarata

A catarata é caracterizada pela opacificação do cristalino do olho. A doença torna a visão ofuscada, dificultando a realização de tarefas simples como dirigir, ler, entre outras.

A doença se desenvolve por conta do envelhecimento natural, quando a capacidade das células do cristalino perdem sua transparência.

No entanto, outros motivos podem levar a catarata, como traumas oculares, doenças sistêmicas como diabetes e má formação na gestação.

Cirurgia de Catarata em Curitiba

O único tratamento disponível para a catarata é a cirurgia. O procedimento visa a remoção do cristalino opaco do olho e sua substituição por uma lente intraocular, que irá desempenhar a mesma função do cristalino. As lentes intraoculares especiais podem ainda corrigir erros refrativos e trazer outras melhorias para a visão, de acordo com a lente escolhida pelo paciente, podendo em alguns casos conquistar a independência do uso dos óculos.

Uma das opções de lentes, por exemplo, são as multifocais, que permitem enxergar de longe e de perto.

O procedimento leva poucos minutos, e o paciente recebe alta no mesmo dia. A recuperação também costuma ser bastante rápida.

Confira algumas dúvidas frequentes sobre a Catarata

Eu já operei a Catarata, mas ainda continuo usando óculos. É possível eu me livrar dos óculos?

Em alguns casos é possível alcançar a independência dos óculos através da cirurgia refrativa, que trata o grau dos óculos na córnea utilizando laser. O mesmo procedimento pode ser feito, inclusive, junto com a cirurgia de catarata. Em alguns casos a cirurgia chega a eliminar por completo a necessidade do uso dos óculos, em outros casos, a necessiade é bastante reduzida.

Eu operei minha catarata, contudo minha visão voltou a embaçar. É possível a catarata ter voltado?

Uma vez removido o cristalino, não há como a catarta voltar, porém, raramente depois de um tempo após a cirurgia, a lente implantada pode sofrer opacificação. Nestes casos, a limpeza da região com tratamento a laser poderá solucionar o problema.

Posso operar minha Catarata com laser?

A utilização do laser femtosegundo acontece em algumas etapas da cirurgia de catarata, como na incisão de abertura do olho e do cristalino. No entanto, para a retirada da catarata é utilizada a tecnologia chamada facoemulsificação: um pequeno aparelho é utilizado para eliminar a catarata por meio de vibração ultrassônica permitindo a aspiração da mesma.

Cirurgia de catarata em Curitiba

Para saber mais informações ou agendar sua consulta, entre em contato conosco através do Whatsapp abaixo ou na página de contato

covid 19 e nossos olhos

Covid 19 e nossos olhos

CONTÁGIO CONJUNTIVAL

O coronavírus SARS-CoV2 é transmitido de uma pessoa a outra por gotículas e aerossóis. Quando falamos, tossimos ou espirramos, liberamos aerossóis. Estes aerossóis carregados do novocoronavírus podem ser absorvidos por outra pessoa através das mucosas da sua boca, nariz ou OLHOS.

Estes aerossóis também podem estar presentes em objetos e superfícies tocados por uma pessoa infectada. Hoje já se sabe que, em alguns materiais, o SARS-Cov2 pode permanecer vivo por muitas horas. Ao tocarmos nestas superfícies contaminadas e levarmos as mãos à boca, nariz, ou OLHOS, podemos nos contaminar.

Infelizmente já sabemos que mesmo as pessoas completamente assintomáticas podem transmitir o vírus.

Por isso é tão importante nos cuidarmos e cuidarmos dos outros!

O uso de máscaras, idealmente as cirúrgicas, dificulta muito a transmissão destes aerossóis contaminados. Se uma pessoa infectada usa a máscara, a chance de ela transmitir o coronavírus para outra reduz muito!

Do outro lado, a higiene correta das mãos com água e sabão e o uso de álcool 70% nas mãos, inativa o vírus e consequentemente também reduz muito sua disseminação.

Tão importante quanto limpar as mãos, é higienizar muito bem todas as superfícies e objetos potencialmente contaminados. Isto inclui nossos telefones, chaves, trincos e maçanetas, sacolas e embalagens, entre outros. Sabe-se que o álcool 70% e o hipoclorito de sódio (água sanitária) são eficientes na eliminação do coronavírus.

coronavirus olho

Covid 19 e Conjuntivite

De acordo com diversos artigos científicos publicados recentemente, a conjuntivite pode ser uma das manifestações da COVID-19. Apesar de rara, ocorrendo em apenas 1% a 3% dos casos, pode ser uma das primeiras manifestações da doença ou pode aparecer já em casos mais avançados. É provável que o SARS-CoV2 seja transmitido para a conjuntiva por aerossóis ou contato das mãos contaminadas com os olhos.

Quando aparece, a conjuntivite normalmente é leve, parecida com outros tipos de conjuntivites virais, e pode ou não estar associada a sintomas respiratórios. Normalmente não exige grandes cuidados e não traz riscos à visão.

Entretanto, é importante que, na presença de olhos vermelhos, lacrimejamento, sensação de cisco nos olhos ou ardência você entre em contato com seu oftalmologista. Ele pode pedir que você compareça ao consultório para ser examinado. É importante que você siga esta orientação, pois os sintomas de conjuntivite viral podem ser facilmente confundidos com outras causas de irritação ocular. Com o exame, o médico oftalmologista pode indicar-lhe o tratamento correto.

SOBRE O CORONAVÍRUS

O vírus SARS-CoV2, ou coronavírus, tem um período de incubação longo, entre 5 a 11 dias. Os primeiros sintomas tendem a surgir após o 11º dia do contágio. Durante todo este período, e mesmo antes dos sintomas aparecerem, a pessoa infectada pode transmitir o vírus. Como estamos na fase de transmissão comunitária da doença, onde não é possível estabelecer relações de contágio / fatores de risco, se você tiver conjuntivite com as características mencionadas acima seu médico poderá orientar que faça o isolamento domiciliar rigoroso, por 14 dias.

cuidados com os olhos

Como você pode cuidar dos seus olhos durante a pandemia por coronavírus Sars-Cov 2

Já sabemos que a transmissão do coronavírus pode acontecer através da conjuntiva, uma membrana fina e transparente que recobre a parte branca do olho e a parte interna das pálpebras. Sabendo disso, existem alguns cuidados que podemos tomar para diminuir o risco de sermos contaminados pelo coronavírus.

  • Mantenha higiene das mãos e antebraços com água e sabão.
  • Não toque nos olhos.
  • Não coce seus olhos – além de machucá-los, você pode se contaminar. Estamos em período de estiagem e os olhos quando mais secos podem coçar ou ficar irritados. Considere usar colírios lubrificantes. Mas atenção!! Os colírios famosos por “lavar os olhos”, aqueles que deixam o olho branquinho, podem agravar a coceira e deixar os olhos ainda mais secos! Existem ótimos colírios lubrificantes nas farmácias. Pergunte para seu oftalmologista quais opções são mais recomendadas para seu caso.
  • Se você tem alergia ocular ou rinite alérgica converse com seu oftalmologista. Ele pode te deixar com colírios específicos para este fim, que muitas vezes podem ser usados por períodos prolongados.
  • Caso precise usar colírios, lave muito bem as mãos com água e sabão antes e depois de pingá-los. Mantenha os frascos fechados e longe da umidade e da luz. Após 2 meses aberto, o colírio perde a validade e deve ser descartado.
  • Óculos de sol ou de grau podem proporcionar uma camada extra de proteção, mas não há 100% de garantia. Ainda assim você precisa se cuidar. Lembre-se de não colocar suas mãos nos seus óculos, enquanto eles estiverem no seu rosto.
  • Lembre-se que seus óculos estão em contato íntimo com seu rosto e por isso precisam dos mesmos cuidados de higiene dedicados às suas mãos e às lentes de contato. Lave-os sempre que chegar em casa com água fria e sabão. Os lencinhos específicos para limpeza das lentes dos óculos não eliminam eventuais vírus que possam estar nestas superfícies e por isso devem ser evitados neste momento.
  • Se você usa lentes de contato, considere trocá-las por óculos temporariamente. As lentes de contato não aumentam o risco de contaminação por coronavírus, entretanto os óculos adicionam uma barreira protetora aos seus olhos.
  • Se preferir manter o uso das usas LC, siga rigorosamente as instruções de higiene. Veja aqui (link para texto de LC e COVID19) como cuidar das suas lentes de contato.
  • Se você estiver cuidando de alguém doente, use, além de máscara, óculos de proteção apropriados, ou barreiras de rosto (“faceshields”). Os óculos comuns não servem para este fim.

 

 

Coronavírus SARS-CoV 2 – Quando e como devo comparecer às consultas oftalmológicas

Sabemos que em tempos de isolamento domiciliar e home-office, os olhos nunca foram tão exigidos. O uso intenso de telas pode causar desconforto visual, dor de cabeça e olho seco. Muitas vezes, ajustar os óculos pode ser necessário para garantir o conforto em casa.

Além disso, existem outros problemas oculares que exigem atenção, como conjuntivites, irritações, ceratites, glaucoma ou doenças da retina que exigem cuidado e atenção constante.

Pensando nisso, nosso hospital permanece aberto, segundo rigorosamente todas as orientações do Ministério da Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba. Assim, nossa equipe pode continuar cuidando de você.

Se for necessário comparecer à consulta, lembramos que alguns cuidados devem ser tomados para garantir a segurança de todos:

  • Venha de máscara. A máscara ajuda no controle da disseminação do coronavírus, e de acordo com o último decreto da Prefeitura de Curitiba é ítem de uso obrigatório em espaços públicos.
  • Venha preferencialmente sozinho. Em caso de necessidade, traga somente 1 acompanhante. Quanto menos pessoas circularem, mais seguro é para todos.
  • Se tiver mais de 60 anos ou tiver algum outro fator de risco (como diabetes, doenças cardíacas, asma, estiver em uso de medicações imunossupressoras), prefira ficar em casa. Nossa equipe está disponível também por whatsapp ou no nosso canal de teleorientação.
  • Quando chegar, temos álcool gel 70% disponível. Por favor, limpe sua mãos ao chegar e ao sair.
  • Pedimos que mantenha uma distância segura das outras pessoas (pelo menos 1,5m).
  • Todos da nossa equipe estão usando máscaras. É para sua proteção.
  • Nossos médicos também estão trabalhando com roupas e máscaras diferentes do que você está acostumado a ver. Isto é importante para proteger você e a nossa equipe.
  • Alguns exames que normalmente fazemos antes da consulta foram temporariamente suspensos. Sabe-se que eles podem aumentar a produção de aerossóis e por isso aumentar a transmissão viral. Mas não se preocupe, dentro do consultório o médico fará todos os exames necessários, com segurança.
  • Estamos seguindo rigorosamente todas as medidas de controle da disseminação do coronavírus, recomendadas pelas instituições de saúde competentes, pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia e pela Academia Americana de Oftalmologia. Os consultórios e equipamentos são completamente limpos com álcool 70% entre uma consulta e outra. Por isso não se preocupe se o médico demorar para te chamar. Precisamos deste tempo para proceder com a limpeza rigorosa.

Caso tenha qualquer dúvida, estamos prontos para te atender pelos nossos canais de teleatendimento:

WHATS APP: (41) 98421-8137

TELECONSULTA VIRTUAL:

 

 

Tratamento do Glaucoma e Catarata em Curitiba

Tenho Glaucoma e Catarata, e agora?

O glaucoma e a catarata são doenças oculares que podem levar a cegueira de formas diferentes. O glaucoma é uma doença que acomete o nervo óptico e muitas vezes está associada ao aumento da pressão intraocular (PIO). Já a catarata é uma doença que acomete a lente interna do olho, o cristalino, e está associado à turvação visual como sintoma inicial. As duas doenças estão se tornando a cada dia mais prevalentes na população mundial pois tendem a acometer pacientes acima de 60 anos e o envelhecimento populacional mundial tem contribuído para números cada vez maiores de portadores de ambas.

Pacientes com glaucoma tendem a ter maior prevalência de catarata pois o tratamento antiglaucomatoso, tanto os colírios quanto a cirurgia, tende a acelerar o processo de opacificação do cristalino.

Então, pacientes com glaucoma, quando diagnosticados com catarata deverão ter algumas perguntas respondidas:

  1. Qual o tipo de Glaucoma?

O subtipo mais comum de glaucoma é o primário de ângulo aberto e este não tende a ter uma diminuição importante da PIO após a cirurgia de catarata isolada. Já alguns subtipos menos comuns como o primário de ângulo fechado e o  pseudoexfoliativo são os que tendem a apresentar uma maior redução de PIO após a cirurgia de catarata.

  1. Qual a severidade da doença no momento?

Paciente com um glaucoma inicial poderá se beneficiar apenas da cirurgia de catarata de forma isolada. Pacientes com glaucoma moderado a severo deverão ser avaliados para uma possível cirurgia de catarata e glaucoma combinadas.

  1. Como está a pressão intraocular? Está em uso de quantas drogas?

O paciente que utiliza somente uma medicação antiglaucomatosa apresentar algum aumento na PIO após a cirurgia de catarata isolada, ele poderá aumentar o número de medicações tópicas utilizadas e alcançar a pressão ideal. O paciente que já está em terapia máxima ou aquele que não tolera /tem contra-indicações ao uso de alguns colírios não pode ter grandes variações de pressão intraocular no pós operatório da cirurgia, uma vez que ele não tem mais opções medicamentosas disponíveis.

Após as três perguntas respondidas, o paciente será classificado conforme tipo e severidade da doença para três possíveis linhas de tratamento:

  1. Cirurgia de catarata isolada

Pacientes com glaucoma inicial, em uso de uma ou duas drogas ou pacientes de glaucoma primário de ângulo fechado são, em geral, os candidatos ideais para se submeterem a cirurgia de catarata de forma isolada.

  1. Cirurgia de catarata + MIGS

Os MIGS (cirurgia minimamente invasiva para glaucoma) são os modernos dispositivos que foram liberados pela ANVISA para implante combinado com cirurgia de catarata. São indicados em casos leves a moderados de glaucoma primário de ângulo aberto. Estudos têm demonstrado redução da PIO modesta, permitindo a diminuição do uso de uma droga hipotensora.

  1. Cirurgia de catarata + Trabeculectomia

Pacientes com glaucoma moderado a severo é a cirurgia de escolha se a PIO está descontrolada. A trabeculectomia isolada acelera o processo de opacificação do cristalino, então cirurgias combinadas são a melhor opção nos pacientes que já apresentam algum grau de catarata.

A PIO deve ser monitorada com zelo nas consultas pós operatórias a fim de impedir picos hipertensivos. Pacientes com glaucoma requerem prudência no momento da cirurgia de catarata, pois alterações anatômicas podem estar presentes, por isso a importância de um exame oftalmológico completo e detalhista.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco.