Ceratocone

O que é?

O ceratocone, é uma doença não-inflamatória degenerativa do olho que pode causar distorção substancial da visão. Seu nome é derivado das palavras gregas kerato (córnea) e konos (cone). Nesta doença, a córnea se apresenta protuberante (como um cone) e afinada causando visão embaçada e distorcida.

A córnea é uma estrutura transparente, asférica e regular, localizada na parte anterior do globo ocular. Através dela penetram os raios luminosos que são captados pela retina (fundo do olho). No ceratocone, a córnea é mais frágil do que o normal, o que faz com que, ao passar do tempo, ela se torne protuberante ou irregular. Estas distorções da córnea fazem com que a imagem chegue à retina também distorcida. Em casos mais avançados, além da irregularidade da córnea, pode haver opacidades cicatriciais que pioram ainda mais a qualidade da visão.

Ceratocone é a degeneração mais comum da córnea. Geralmente se inicia na adolescência e progride com deformação da córnea durante a segunda e terceira décadas de vida.

Quais são as causas?

O ceratocone tem origem genética. Os pacientes pré-dispostos a ter ceratocone e que tem o hábito de coçar os olhos tem chances maiores de apresentar uma doença mais precoce e avançada, já que o ato de coçar os olhos altera a composição das enzimas na córnea, reduzindo ainda mais sua resistência.

É importante saber que aproximadamente 20% das pessoas diagnosticadas com a doença tem algum familiar com ceratocone. Sendo assim, é importante que irmãos e filhos de pessoas com ceratocone sejam avaliados para a doença.

Quais são os sintomas?

O principal sintoma é a distorção progressiva da visão que em muitos casos não melhora com o uso de óculos. Os pacientes, antes de serem diagnosticados com ceratocone, costumam ter modificações frequentes nas prescrições de seus óculos num espaço curto de tempo. Este já é um grande motivo para que se procure um exame oftalmológico especializado.

As pessoas com ceratocone podem relatar ainda diplopia (visão dupla) e queixar-se de visão borrada e distorcida, principalmente à distância. Em alguns casos, há sensibilidade anormal à luz.

Quem pode ter ceratocone?

O ceratocone costuma manifestar-se em pessoas jovens e pode progredir com o passar dos anos. A velocidade e o grau de progressão da doença variam entre as pessoas e podem ser imprevisíveis. De forma geral, a doença tende a ser mais grave quanto mais precoce for seu aparecimento. Pessoas cujos familiares (principalmente pais e irmãos) tem ceratocone, apresentam uma chance maior de desenvolver a doença. Por isso, os familiares de pessoas com ceratocone são aconselhados a serem investigados para a doença.

Como é diagnosticado?

No exame clínico, o oftalmologista pode suspeitar de ceratocone ao encontrar reflexos anormais na córnea ou astigmatismo irregular. Frente a esta suspeita, ele pode pedir alguns exames complementares como topografia e paquimetria de córnea. Atualmente, exames mais sofisticados como o “Galilei”, que avalia também a curvatura posterior da córnea, podem diagnosticar o ceratocone mais precocemente e com maior precisão.

Como o ceratocone é tratado?

Nos estágios iniciais, o uso de óculos ou de lentes de contato deve ser suficiente para proporcionar uma visão adequada. Para casos mais avançados pode ser necessário o implante de anéis intracorneanos, como o “anel de Ferrara”, que tem por objetivo fortalecer a estrutura da córnea e tornar a sua superfície mais regular.

Quando o ceratocone está associado à cicatrização corneana central, afinamento corneano intenso, ou quando existe risco de perfuração corneana, o transplante de córnea pode ser necessário.

É importante salientar que mesmo nas fases mais precoces da doença, está indicada a aplicação de “Crosslinking Corneano”. Este tratamento tem por objetivo fortalecer e estabilizar a córnea, evitando, portanto, a progressão da doença. Daí a importância do diagnóstico precoce.

Olho com ceratocone.